This website is best viewed with CSS and JavaScript enabled.

Notícias da Semana do Anglican Communion News Service - 22 de novembro de 2019

Posted on: November 22, 2019 2:05 PM
Related Categories:

Grupo conclama a Comunhão a apoiar os direitos dos povos indígenas

Uma reunião da Rede Indígena Anglicana (AIN) no Havaí levou a um apelo para que os Anglicanos indígenas tenham voz mais ativa nos trabalhos do Conselho Consultivo Anglicano e suas organizações parceiras.

Dez representantes de Pīhopatanga o Aotearoa (dioceses maoris) se uniram a Anglicanos da Austrália, EUA e Canadá para participar de um evento de uma semana na Epiphany Episcopal Church em Kaimuki. O evento foi presidido por Te Kitohi Pikaahu, Bispo de Te Tai Tokerau.

A conclamação da AIN à Comunhão como um todo foi feita como parte dos eventos de encerramento do evento, em que cada delegação indígena compartilhou histórias de luta e esperança em seus ministérios com as outras comunidades indígenas presentes, reunidas em torno de sua experiência compartilhada de colonização.

Em Comunicado, a Rede declarou: “Compelidos pelo poder de amor, renovação, paz, reconciliação e restauração do Evangelho, apoiamos uns aos outros dentro de nosso desafio comum, enquanto povos minoritários que enfrentam as realidades diárias únicas do impacto contínuo do colonialismo... na Igreja que amamos e no mundo do qual somos chamados a cuidar.”

Durante a semana, os delegados relataram como os povos indígenas Anglicanos continuam a viver e ministrar apesar do dano causado às comunidades causado pela colonização – passada e presente – e seus efeitos contínuos. Um tema recorrente foi a necessidade de capacitar as comunidades indígenas a direcionar o desenvolvimento indígena de forma que possam promover o bem-estar de suas famílias através de modos culturais indígenas, inclusive nas áreas de educação, justiça e saúde.

O desafio da AIN à Comunhão Anglicana em geral por uma voz mais ativa dos Anglicanos indígenas clamou por contato contínuo entre o Escritório da Comunhão Anglicana, principalmente através da participação nas reuniões da AIN.

O representante permanente da Comunhão Anglicana nas Nações Unidas, Jack Palmer-White, que participou do encontro, recebeu de braços abertos a oportunidade de entender melhor os desafios e oportunidades distintos das comunidades indígenas Anglicanas. Ele disse: “Há muitas áreas em que a sabedoria e a experiência das comunidades indígenas podem ajudar todos na Comunhão a pensar de forma inovadora sobre como vivemos a missão da igreja em toda a sua plenitude.”

Líderes das igrejas Anglicanas na Inglaterra, Escócia e País de Gales conclamam por ‘verdade e respeito’ na campanha para as eleições gerais

Líderes Anglicanos na Inglaterra, Escócia e País de Gales fizeram um apelos a eleitores e políticos durante a campanha que antecede as eleições gerais do Reino Unido em 12 de dezembro.

Em uma carta pastoral às igrejas nesta semana, os Arcebispos de Canterbury e York incentivaram as pessoas a “defender a verdade e desafiar as falsidades.” Eles declararam: “Conclamamos a todos os candidatos a rejeitar a linguagem do preconceito e não alimentar o estigma e o ódio contra as pessoas com base em sua religião, cultura, origem, identidade ou crença.”

O Primaz da Igreja no País de Gales, Arcebispo John Davies, também emitiu um comunicado enfatizando que o país enfrenta uma série de necessidades e desafios, e pediu aos políticos que dedicassem seu tempo, atenção e debate para melhorar a vida das pessoas vivendo em um estado de cada vez mais desespero.

Falando em nome do Colégio dos Bispos da Igreja Episcopal Escocesa, seu Primus, Bispo Mark Strange, afirmou: “Deve haver oportunidade para que os problemas e desafios que o Reino Unido enfrenta atualmente sejam tratados de maneira aberta, sincera e no espírito de respeito e graça.”

Em sua carta pastoral à Igreja da Inglaterra, os Arcebispos Justin Welby e o Dr. John Sentamu incentivaram as pessoas a participarem do processo político, mas também - crucialmente - a “sair de nossas câmaras de eco” para ouvir aqueles com pontos de vista diferentes.

A carta, que os arcebispos esperam que seja compartilhada nas igrejas locais durante a campanha, pede às pessoas que se envolvam com responsabilidade nas mídias sociais e defendam os valores Cristãos da verdade, humildade e amor.

Eles escreveram: “Como seguidores de Jesus Cristo, cada um de nós é chamado a honrar o dom da verdade, tanto para falá-la quanto para buscá-la; todos temos a responsabilidade de falar com precisão, de desafiar as falsidades quando as ouvimos, e de sermos cuidado para separar os fatos das opiniões.”

Eles também encorajaram a humildade e o amor na comunicação com aqueles que têm opiniões políticas diferentes. “Vamos orar por debates que busquem unir, e não dividir, nos unir e reconstruir a confiança um no outro, em nossas instituições e em nossa política.”

Bispo do Paquistão continua a combater tomada de faculdade Anglicana pelo governo

A batalha pelo controle de uma faculdade Anglicana no Paquistão continua neste mês, após novas medidas legais do governo do Paquistão para implementar sua nacionalização de escolas e faculdades.

O Primaz da Igreja do Paquistão e Bispo de Peshawar, Humphrey Peters, afirmou que a recente ação judicial do Governador de Peshawar com relação à Edwardes College no mês passado ignora decisões anteriores que mantiveram a independência e controle diocesano da instituição.

O Bispo disse: “O fato de que nosso governo provincial entrou com ação contra o veredito do Tribunal Superior de 2016 é uma indicação clara de que não deseja ver a faculdade sob controle da Igreja. O iniciativa do governo de recorrer nos tribunais contra a decisão em favor da Igreja do Paquistão também é uma violação da Constituição do Paquistão.”

O Bispo Humphrey se manifestou contra a nova decisão do tribunal no mês passado, que julgou a favor do governo da província e dos professores universitários ao afirmar que a faculdade era uma instituição educacional nacionalizada. A corte rejeitou a petição do bispo de declarar o colégio uma instituição privada, à luz de uma sentença judicial proferida em 2016 para impedir o governo de interferir em seus assuntos.

Em uma entrevista coletiva na semana passada, o Bispo pediu ao governo que devolvesse o controle da faculdade aos Cristãos antes do Natal. Ele afirmou que, caso isso não acontecesse, eles lançariam uma campanha nacional e internacional de protesto.

“Se a faculdade não for entregue aos Cristãos,” disse ele, “eles iniciarão um movimento antigoverno através de protestos e greves de fome em todo o país, e eles não hesitarão em marchar em Islamabad.”

Ele disse que a constituição do Paquistão garante a proteção da comunidade Cristã no país, e, portanto, o governo deve garantir que ela seja implementada.

“Todo este tempo, temos lutado para garantir a identidade Anglicana da Faculdade,” disse ele. “Estamos tentando reter e manter a identidade da Igreja no Paquistão nesses tempos difíceis.”