This website is best viewed with CSS and JavaScript enabled.

Notícias da Semana do Anglican Communion News Service - 31 de outubro de 2019

Posted on: October 31, 2019 12:57 PM
Related Categories:

Representante da Comunhão Anglicana recebe prêmio das Nações Unidas

Uma integrante do Escritório da Comunhão Anglicana (Anglican Communion Office) na ONU recebeu um prêmio em reconhecimento por seu trabalho exemplar na promoção da espiritualidade e dos valores nas Nações Unidas.

Jillian Abballe, Diretora de Advocacy do escritório, foi uma das cinco candidatas a receber o prêmio “Espírito das Nações Unidas” na categoria juventude.

O representante permanente da Comunhão Anglicana nas Nações Unidas, Jack Palmer White, afirmou: “Este prêmio é uma oportunidade maravilhosa para reconhecer a excelente contribuição de Jillian para fortalecer as relações entre a comunidade religiosa e as Nações Unidas, não apenas em seu cargo atual, mas durante todo o tempo em que trabalhou no âmbito de organizações religiosas e da ONU. Sua capacidade de construir parcerias colaborativas, articular questões complexas de maneira convincente e encontrar oportunidades de ação positiva e transformadora são apenas algumas das razões pelas quais esse prêmio é tão merecido. O crescente impacto que o Escritório da Comunhão Anglicana nas Nações Unidas está tendo, não só em Nova York, mas em outras esferas, é testemunho de nossa equipe dedicada, incluindo o papel de Jillian como líder do escritório de Nova York e Diretora de Advocacy. Espero muito que esse prêmio seja uma plataforma para o impacto do Escritório da Comunhão Anglicana nas Nações Unidas.”

Jillian é Diretora de Advocacy e diretora do Escritório da Comunhão Anglicana nas Nações Unidas em Nova York. Também já atuou como diretora interina do Escritório do Conselho Mundial de Igrejas nas Nações Unidas. Além dos cargos acima, Jillian também é co-presidente da Ecumenical Women at the United Nations (“Mulheres Ecumênicas nas Nações Unidas”), uma coalizão de 18 organizações religiosas que promovem questões de gênero; membro do Grupo de Trabalho de ONGs do Conselho de Segurança; e membro do Comitê Diretor Mundial do Escritório das Nações Unidas para a Prevenção de Genocídios. Ela também está cursando um Mestrado em Assuntos Globais na Universidade de Nova York, com foco na construção da paz e estudos globais de gênero.

Durante a cerimônia de premiação, o vice-presidente do Conselho Executivo do Comitê de Valores Espirituais e Preocupações Globais das Nações Unidas em Nova York, o rabino Roger Ross, compartilhou uma história espiritual da ONU, que, segundo ele, foi fundada em princípios espirituais com a dignidade humana em seu cerne. Ele disse: “Na minha humilde opinião, sem uma base de espiritualidade, a ONU nunca poderia ter se tornado a fonte de cura e unidade que representa.”

Ele explicou como os prêmios são gerenciados pelo Comitê de ONGs sobre Espiritualidade, Valores e Interesses Globais (Genebra e Nova York), que visa trazer dimensões espirituais e de valores a todas as áreas da agenda e das políticas públicas das Nações Unidas.

Após a cerimônia, Jillian disse que recebe o prêmio com honra e humildade, e prestou homenagem aos amigos e colegas: “eles me viram me esforçar, crescer e expandir ao longo dos anos. Este prêmio, em particular, é um grande lembrete de que, apesar dos desafios persistentes que enfrentamos em nosso trabalho coletivo, estamos unidos em nossas esperanças para o mundo no espírito fundador das Nações Unidas. Mais importante ainda, devemos continuar reunindo os recursos espirituais necessários para manter essa visão - em toda a ONU, na sociedade civil em geral e em organizações religiosas.”

 

Arcebispos dão apoio a treinamento oferecido por igrejas para combater a mais recente epidemia de Ebola na RDC

Dois arcebispos têm auxiliado na implementação de novos treinamentos para igrejas na República Democrática do Congo concebidos para ajudá-las a enfrentar a epidemia de Ebola que assola comunidades no nordeste do país.

Masimango Katanda, Arcebispo do Congo e Bispo de Kindu, e Justin Welby, Arcebispo de Canterbury, abriram uma oficina de três dias em Goma na semana passada. Homens e mulheres de todas as idades e de diferentes denominações religiosas em todo o país participaram da oficina de ‘Treinamento de Instrutores’ usando o novo manual “Fé em Tempos de Ebola”, revisado com o apoio da Tearfund e outros parceiros Anglicanos. O manual, que a Aliança Anglicana ajudou a preparar, fornece uma ferramenta ilustrada, prática e com bases bíblicas para auxiliar os líderes religiosos.

O Bispo Michael Beasley, epidemiologista e um dos criadores do manual, participou da oficina. Ele disse: “a oficina permitiu que os participantes pensassem em como podem ajudar as comunidades que servem a passar do medo à esperança, participando de esforços para prevenir e gerenciar infecções, comunicar-se de maneira clara e eficaz sobre a epidemia e prestar apoio e cuidado àqueles que sobreviveram à infecção e para combater o estigma. Estamos discutindo no momento a melhor maneira de implementar uma abordagem religiosa para o Ebola em todo o país.”

Na semana passada, o Arcebispo de Canterbury visitou os centros de tratamento do Ebola para ouvir diretamente dos pacientes e funcionários sobre suas experiências e conferir a eficácia das intervenções médicas. Ele disse: “Conversei com um garoto de cerca de 12 anos, suspeito de ter o vírus. Ele está esperando por um diagnóstico. Eu disse: ‘Você está com medo?’ Ele disse: ‘Não, eu tenho força’. Isso é típico da atmosfera neste centro de tratamento – força, esperança, ressurreição. As pessoas não devem ter medo de ir a estes centros no momento em que se sentirem doentes. Assim como serão respeitados, serão também auxiliados por médicos, psicólogos e todos mais.”

De acordo com a Diretora de Resiliência e Resposta a Desastres da Aliança Anglicana, Dra. Janice Proud, o manual “Fé em Tempos de Ebola” permite que os líderes religiosos falem sobre os fatos da epidemia de Ebola e também sobre as questões e crenças que estão impedindo as pessoas de se envolverem em intervenções de prevenção e tratamento.

Ela disse: “Nos dá alegria apoiar o desenvolvimento deste recurso com bases bíblicas para o combate ao Ebola e o treinamento desta semana, o que garantiu um bom envolvimento ecumênico. Esta foi uma das principais forças da resposta na África Ocidental. Todas as denominações e crenças estavam falando junas com a mesma mensagem, e fazendo isso de forma colaborativa.”

“Na África Ocidental, o papel das comunidades religiosas foi fundamental para superar a epidemia", disse a Dra. Proud. “Somente quando as comunidades religiosas – que realmente entendem a cultura – se envolveram é que as coisas mudaram”.

Nos últimos meses, o manual foi testado e revisado pelos líderes da igreja na RDC. Agora ele foi revisado em suaíli e traduzido para o francês, e será compartilhado livremente para impressão e uso local.