This website is best viewed with CSS and JavaScript enabled.

Notícias da Semana do Anglican Communion News Service - 20 de setembro de 2019

Posted on: September 20, 2019 9:13 AM
Related Categories:

Os Estados devem ouvir as igrejas sobre a construção da paz

Os governos devem reconhecer o papel central e prático das igrejas e organizações religiosas na construção da paz, afirmou Jack Palmer-White, representante da Comunhão Anglicana na ONU. Em discurso na véspera do Dia Internacional da Paz, comemorado amanhã (21 de setembro), Jack Palmer-White disse que o tema deste ano, “Ação Climática pela Paz”, foi uma oportunidade de exortar os Estados a tomarem medidas significativas para proteger os que são forçados a abandonar suas casas devido a desastres e conflitos relacionados ao clima.

Ele disse: “Não apenas há um dever moral de proteger as pessoas afetadas pelo deslocamento induzido pelo clima, mas [esta proteção] também é importante na redução do risco de conflitos causados por grandes movimentos populacionais. Os Estados precisam ouvir a sociedade civil, incluindo igrejas e outras organizações religiosas, comunidades indígenas e jovens, para entender melhor os desafios enfrentados pelas comunidades em risco de deslocamento.”

As igrejas da Comunhão Anglicana estão trabalhando ativamente com as comunidades para apoiar e proteger aqueles que são forçados a deixar suas casas devido às mudanças climáticas ou conflitos climáticos.

Na Papua Nova Guiné, a Igreja Anglicana tem atuado fortemente nas últimas semanas, ajudando milhares de pessoas desalojadas após a segunda erupção do Monte Ulawun, localizado na Diocese da Ilha da Nova Guiné. A erupção levou à contaminação da água e infecções respiratórias em pessoas vulneráveis, e os impactos causados sobre o transporte e a infraestrutura em geral dificultaram a resposta de emergência. A Igreja organizou um apelo para trazer ajuda e apoio às pessoas afetadas.

Uma equipe de jovens e líderes religiosos das Ilhas do Pacífico pode compartilhar sua experiência com impactos climáticos extremos durante uma conferência recente sobre mudanças climáticas organizada pela Diocese de Lincoln no Reino Unido. O grupo incluiu jovens da Igreja de Todos os Santos em Fasi (Tonga), que fizeram treinamento em Avaliações Integradas de Vulnerabilidade Comunitária (CIVA, na sigla em inglês) para respostas a desastres naturais. Eles explicaram como usaram Sistemas de Informações Geográficas (SIGs) para mapear sua comunidade, o que permitiu aos jovens da área responderem com rapidez e precisão quando o ciclone mais recente ocorreu.

No Paquistão, uma organização Cristã de pequena escala chamada Sociedade para a Paz e o Desenvolvimento Sustentável está trabalhando em cinco distritos de Punjab do Sul, no Paquistão, com iniciativas que incluem os “Clubes Verdes do Clima” e o “Projeto Escolas Verdes”, ambos criados para envolver mais as crianças com a natureza.

A Aliança Anglicana, que ajuda a coordenar as atividades das agências de assistência e desenvolvimento Anglicanas, oferece apoio prático às igrejas por meio de capacitação e treinamento.

Um dos recursos para permitir que as igrejas possam se tornar mais resilientes, preparadas e responsivas a desastres naturais é o kit de ferramentas ‘Pastores e Desastres’, da Aliança Anglicana, que tem sido usado de maneira eficaz pela igreja no Sri Lanka. A Aliança também fez parceria com a Diocese de Harare, ajudando a liderar oficinas sobre ‘Resiliência e Mobilização da Igreja e da Comunidade’ que transformaram comunidades no Zimbábue.

O Dia Mundial da Paz, estabelecido pelas Nações Unidas em 1981, oferece uma oportunidade para todos promoverem a paz de forma pessoal, política e comunitária. O Conselho Mundial de Igrejas convidou todas as denominações a unirem-se na exaltação da paz como tema de seus cultos, eventos e atos.

O Dia Mundial da Paz antecede a Cúpula de Ação Climática da ONU em 23 de setembro, que se concentrará em planos para acelerar as ações para implementar o Acordo de Paris.

Aotearoa nomeia primeira bispa maori na Nova Zelândia

Mais de mil pessoas participaram das celebrações para a ordenação de Waitohiariki Quayle como bispa de Te Upoko o Te Ika. Ela se tornou a primeira mulher maori a ser ordenada bispa na Igreja de Aotearoa, Nova Zelândia e Polinésia.

O culto de comemoração em 12 de setembro foi realizado na escola Anglicana Rathkeale College, em Masterton. O dia foi de emoção e comemoração, com as vozes de mulheres e jovens desempenhando um papel fundamental por meio de leituras, músicas e orações.

“Estamos muito felizes com esta oportunidade de celebrar a primeira mulher maori ordenada bispa”, disse o Bispo da Polinésia, Arcebispo Fereimi Cama. “Esta é uma grande conquista para Tikanga Maori e uma inovação para toda a igreja.”

Waitohiariki Quayle disse que o ponto alto do dia foi ver o corpo de Cristo reunido como uma família com todos desempenhando seu papel. “Não acredito em dividir as pessoas, em dizer que você é isso ou aquilo. Temos que ser muito mais bondosos uns com os outros - todos nós - o tempo todo”, disse ela.

Waitohiariki Quayle pertence às tribos Ngāti Kahungunu ki Wairarapa e Whakatōhea, e foi ordenada em 2013. Desde 2015, atua como Arquidiácona do Pastorado Maori de Wairarapa. Até recentemente, a Bispa-eleita ocupava o cargo de gerente de serviços comunitários de saúde Maori na Whaiora Māori Health, instituição com sede em Masterton.

A Dra. Jenny Te Paa Daniel, defensora de longa data da liderança das mulheres na igreja, pregou no culto de ordenação.

Falando à bispa-eleita em seu sermão, ela disse: “você hoje é posta, orgulhosamente, no comando de uma waka wāhine (frota histórica de mulheres de canoa) metafórica que navega por esta igreja há muitos e muitos anos... estamos cercados de todos os lados por essa grande nuvem de lindas e audaciosas testemunhas.”

Concurso de fotos busca mostrar a diversidade de missões nas igrejas do Reino Unido

Um concurso de fotos lançado pela Church Mission Society (CMS), instituição com sede no Reino Unido, busca mudar a percepção das pessoas sobre como as igrejas se envolvem em missões no Reino Unido e além. Um levantamento da CMS constatou que metade dos Cristãos pesquisados em todo o Reino Unido estava envolvida em missões localmente ou no exterior. Com esta constatação em mente, a organização desenvolveu o concurso de fotos This is Mission (“Isto é Missão”), criado para celebrar e mostrar essas atividades dentro e fora das igrejas.

Naomi Steinberg, diretora de comunicações do CMS, disse: “O concurso de fotos é uma oportunidade para os Cristãos enviarem fotos do que a missão é e tem sido para eles... Em todo o mundo, Cristãos estão compartilhando suas vidas e atendendo ao chamado de Deus para compartilhar Jesus criativamente e generosamente com os necessitados.”