This website is best viewed with CSS and JavaScript enabled.

Primazes incentivam todos os bispos a participar da Lambeth Conference 2020

Posted on: July 12, 2019 12:09 PM
Os bispos da Lambeth Conference em 1930 definiram a Comunhão Anglicana como “como uma comunhão de igrejas, províncias e dioceses em comunhão com a Sé de Canterbury”.
Photo Credit: ACNS
Related Categories:

[Repórter da equipe ACNS] O Arcebispo de Canterbury, Justin Welby, expressou seu desejo de que a Lambeth Conference (“Conferência de Lambeth”) do ano que vem “reúna o maior número possível de bispos participantes de toda a Comunhão, sem esconder ou evitar nossas diferenças, mas sim trazendo essas diferenças sob Deus em oração e humildade”. O arcebispo Justin fez seus comentários em uma carta a seus colegas Primazes da Comunhão Anglicana quando foi anunciado que o evento do próximo ano já havia ultrapassado 1.000 inscritos.

Outros líderes Anglicanos também têm dedicado seus esforços para conclamar todos os bispos da Comunhão Anglicana a participar. Em uma entrevista no jornal britânico Church Times na sexta-feira, o presidente do Grupo de Concepção da Lambeth Conference, Arcebispo Thabo Makgoba da Cidade do Cabo, disse que todos os bispos precisam “sentar-se à mesa” para participar do debate. Além disto, na semana passada um grupo de bispos de oito províncias - incluindo dois primazes - falou de sua disposição “de ouvir nossos colegas que têm opiniões divergentes das nossas em boa fé”.

Em sua carta, o Arcebispo Justin expressou sua decepção com o fato de alguns bispos terem recusado seu convite à Lambeth Conference, e também sua preocupação de que “informações incorretas e enganosas sobre a Lambeth Conference e a natureza do Anglicanismo estejam circulando novamente”.

Ele continuou: “muito se disse sobre Resolução I.10 da Lambeth Conference de 1998; entretanto, esta resolução é frequentemente mal interpretada. Em nenhum momento a resolução obriga - ou mesmo aconselha - que se exclua qualquer pessoa do debate.

“A resolução declarou a posição recebida da vasta maioria da Comunhão sobre o casamento como a união vitalícia de um homem e uma mulher, mas igualmente incluiu um compromisso por parte dos bispos de ouvir a experiência de pessoas homossexuais, amada por Deus. Não é possível ouvir aqueles que são excluídos do debate.

“Minha posição, frequentemente reiterada, é que continuo pessoalmente comprometido com os ensinamentos tradicionais sobre o casamento e levo a sério a exigência da Resolução I.10 de cuidar das pessoas homossexuais, ouvi-las e condenar o ’medo irracional’ delas. A posição da Igreja da Inglaterra não mudou. Não é possível na lei que casamentos ou bênçãos entre pessoas do mesmo sexo ocorram em igrejas da Igreja da Inglaterra.”

Ele também reafirmou o que significava para uma Igreja ser uma província Anglicana, dizendo: “as igrejas membros da Comunhão Anglicana são aquelas igrejas em comunhão com a Sé de Canterbury e que são listadas como membros do Conselho Consultivo Anglicano. Já há muito tempo, pelo menos desde a Lambeth Conference de 1930 (Resolução 49), a Comunhão Anglicana é definida como uma comunhão de igrejas, províncias e dioceses em comunhão com a Sé de Canterbury.

“Existem outras igrejas que derivam sua doutrina, liturgia e ordem da tradição Anglicana e que não são membros da Comunhão Anglicana. Por mais de um século, as igrejas Anglicanas têm sustentando que o requisito básico para a comunhão com outra igreja é que haja acordo em quatro áreas: as Sagradas Escrituras; os Credos Católicos; os sacramentos do Batismo e da Eucaristia; e o episcopado histórico, adaptado localmente...

“Estamos em comunhão porque, em nossa ampla diversidade de culturas e tradições, nos apegamos a essas quatro áreas de comum acordo como bispos ao redor do mundo em comunhão com a Sé de Canterbury.”

Ele concluiu sua carta dizendo que “as críticas (pessoais e comunais) direcionadas a mim nas últimas semanas não me impedem de continuar convidando todos os bispos ativos das Igrejas da Comunhão Anglicana para a Lambeth Conference e deixar aberta a porta para as outras igrejas que convidei para enviar representantes observadores mas que se recusaram a fazê-lo.

“Continuo esperançoso de que quando, inspirados pelo Espírito Santo, nos unirmos como bispos em comunhão em Canterbury no ano que vem, o Senhor nos abençoe e nos prepare para ministrar a seu povo no mundo que ele ama e anseia por salvar.”

Em sua entrevista para o Church Times, o Arcebispo Thabo confirmou que não é possível que haja diálogo apropriado se os bispos associados ao movimento conservador Gafcon não estiverem presentes na Lambeth Conference. “Precisamos que aqueles que participam da GAFCON sentem-se à mesa para debater”, disse ele. “Precisamos que aqueles que estão na Igreja Anglicana na América do Norte [ACNA] sentem-se à mesa para debater. Precisamos que aqueles que apenas saíram em silêncio, ou que não entendem do que estamos falando, sentem-se à mesa para debater, para que assim possamos ouvir todas as vozes possíveis e qual é a nossa obrigação para com Deus em tempos como estes”.

Ele disse: Rogo a todos que afirmem, e reafirmem, que os boicotes nunca ajudaram nenhuma de nossas nações a alcançar a liberdade. Os boicotes nunca nos ajudaram a chegar a um acordo sobre os credos da tradição Anglicana. Boicotes alimentam divisões.

“Mas, se todos nós nos sentarmos à mesa em Lambeth, e os Cristãos Africanos tiverem a palavra, e todos os outros Cristãos tenham a palavra... Vamos todos sentar-nos em volta da mesa, reconhecer nossa dor, tentar remediar nosso quebrantamento, tentar remover as tensões. Mas não podemos simplesmente dizer: “Vamos votar: você está dentro ou está fora?” Não é assim que a Igreja funciona”.

Além disso, 10 bispos (incluindo dois arcebispos) da África, das Américas e da Inglaterra emitiram uma nota conjunta definindo sua visão para “a Lambeth Conference que queremos” . Os signatários incluem o Primaz da Igreja Anglicana da África Ocidental, Arcebispo Daniel Sarfo; o Primaz da Igreja Anglicana do Burundi, Arcebispo Martin Nyaboho; e o antigo Primaz de Jerusalém e do Oriente Médio, Bispo Mouneer Anis do Egito.

Outros signatários incluem três membros do Grupo de Concepção da Lambeth Conference: O Bispo Joel Waweru de Nairóbi, da Igreja Anglicana do Quênia; a Bispa Emma Ineson de Penrith, da Igreja da Inglaterra; e o Bispo George Sumner de Dallas, da Igreja Episcopal com sede nos EUA.

Nela, os bispos afirmam: “em Lambeth, apesar de ser uma família fragmentada, ainda devemos pensar em nossos colegas Anglicanos da melhor forma possível. Por exemplo, tem havido muitos movimentos importantes de missão e renovação em nossa tradição Anglicana (por exemplo, o Movimento de Oxford e o Renascimento da África Oriental), e também podemos ver o GAFCON dessa maneira.  Também podemos apreciar o papel que os Anglicanos do Sul Global desempenharam no fortalecimento da missão de Cristo em suas províncias.

“Aceitamos a opinião dos Primazes de que somente as Igrejas alinhadas com os ensinamentos da Comunhão devem representá-la em termos de ’doutrina e política’.  Mas também estamos dispostos a ouvir nossos colegas que têm opiniões divergentes de boa-fé.  Em termos mais gerais, todos nós precisamos, em nossos corações, deixar de lado as velhas recriminações, pois cada um de nós aceita essas injunções do Evangelho: ‘Levai as cargas uns dos outros’, ‘Segui a verdade em amor’, ‘Não se ponha o sol sobre a vossa ira’ (Gálatas 6:2, Efésios 4:15,26).”

Eles continuam: “esperamos uma Lambeth Conference que se concentre em oração e na Bíblia, que nutra nossa humildade, que nos abra à conversão de Deus no Espírito, e que nos encoraje a adotar formas renovadas de ensino e testemunho que inspirarão e atrairão jovens gerações em nossas nações e nossas igrejas. É também crucial que rejeitemos todas as formas de orgulho cultural e racial enquanto ouvimos e deliberamos uns com os outros com total respeito.  I Pedro, sobre a qual Lambeth 2020 meditará, bem o disse: ‘sede todos de um mesmo sentimento, compassivos, amando os irmãos, entranhavelmente misericordiosos e afáveis... e estai sempre preparados para responder com mansidão... em defesa da esperança que há em vós’ (3: 8,15).

“Unidos em fé, esperança e amor, podemos em Lambeth confrontar juntos os problemas urgentes em nossa Comunhão e em nosso mundo.  Todos nós compartilhamos preocupações sobre o que pode estar à frente em nosso futuro comum, pois, como uma Igreja dividida, lutaremos para testemunhar para um mundo dividido e aquebrantado.  Mantemos em nossas orações aqueles entre nós que enfrentam perseguição e perigo.  Precisamos ser guardiões da criação.  Esperamos uma conferência que incentive todos nós a estar do lado dos pobres e dos que estão sendo maltratados, a chamar os pecadores ao arrependimento e a oferecer perdão em nome do Senhor, a andar em seu caminho de amor e a buscar a reconciliação entre nós mesmos e com o próximo.”

Como aconteceu há um século, esperamos que Lambeth 2020 nos faça lembrar do chamado ecumênico de nosso Senhor para ser um como Ele e o Pai são um (João 17:22).  Para isso, devemos levar a sério os testemunhos, dons e conselhos de nossos irmãos e irmãs Cristãos em outras igrejas. Dentro da própria Comunhão, alguns sentiram frustração com os ’Instrumentos’ ao longo das duas últimas décadas, lutando para encontrar um equilíbrio entre autonomia e a responsabilidade mútua.

“Nossa esperança é a de uma Lambeth Conference que estabeleça um caminho a seguir para na próxima década, e oramos para que tenhamos paciência para atravessá-lo.  Nossa esperança é a de uma Lambeth Conference na qual aprofundemos nosso senso de “responsabilidade mútua e interdependência no Corpo de Cristo” (Congresso Anglicano de 1963), tanto em termos de seu programa quanto nas amizades pessoais.

A todo momento, que nos lembremos que nossa Comunhão verdadeiramente global não é primariamente um problema, mas sim um dom notável, embora frágil - um sinal da Igreja enquanto católica”.

As inscrições para a Lambeth Conference de 2020 continuam abertas aos bispos. Na semana passada, o número de inscritos atingiu 1.000 bispos e cônjuges.

[O Arcebispo Justin Welby é um dos muitos primazes que vêm defendendo a participação de todos os bispos Anglicanos na Lambeth Conference do ano que vem]