This website is best viewed with CSS and JavaScript enabled.

Primazes anglicanos renovam votos de batismo às margens do rio Jordão

Posted on: January 21, 2020 4:31 PM
Photo Credit: ACNS
Related Categories:

No final de um bem-sucedido Primates’ Meeting (Encontro de Primazes) na Jordânia na semana passada, os líderes da Comunhão Anglicana se reuniram às margens do rio Jordão, a poucos metros do local do batismo de Jesus, para uma celebração da Santa Comunhão e para renovar seus votos de batismo. Os primazes haviam visitado um centro de conferências perto deste local no início de seu encontro, quando foram recebidos em audiência por Sua Majestade o Rei Abdullah II da Jordânia, que falou dos cristãos como “um componente inerente e parte integrante do tecido da orgânico da região.”

Na homilia durante a celebração, o Arcebispo de Canterbury, Justin Welby, falou da história dos conflitos na região desde 1945, dizendo: “Este é um lugar da realidade da dor, do pecado, da luta e da morte e do chamado à reconciliação. E essa realidade é uma realidade para muitos de nós, muitos de vocês. Como ouvimos nos últimos dias, vocês vivem em lugares de dor e luta, pecado, guerra e morte.”

The Archbishop Of Canterbury Leads Worship At The Shores Of The River Jordan

O culto ocorreu na quinta-feira, 16 de janeiro, quando o lecionário refletia sobre o batismo de Cristo. A leitura do Evangelho foi tirada de Marcos 1:40 até o fim do capítulo - a história do leproso que foi purificado por Jesus. O Arcebispo Justin falou dos dois significados de ser purificado: “Existe a purificação de acordo com a lei de Moisés [e] há a profunda purificação que ocorre com as palavras de Jesus quando ele diz: ‘Quero. Seja purificado!’”

Ele acrescentou: “Quando chegamos hoje aqui, o Espírito de Deus que está conosco procura nossos corações e vê nossos medos, os medos que são tão profundos para que possamos conhece-los, e certamente aqueles que conhecemos, mas que não compartilhamos uns com os outros. O Espírito vê nossa culpa, nosso pecado e busca ambos.

“Também nós chegamos como leprosos na presença de Jesus como o fazemos todos os dias,  mas hoje de uma maneira especial por causa deste lugar. Viemos como leprosos e dizemos: ‘você está disposto a nos purificar?’

“E ele diz: ‘Estou disposto. Quero. Seja purificado!’’

“Esse é o presente que chega a cada um e a todos nós todos os dias. . . Conhecemos nosso pecado e nosso fracasso. E Jesus diz: ‘Quero. Seja purificado!’ Mais do que isso, chegamos como indivíduos, amados porque Jesus alcança o pecador. Não amamos porque somos primazes, mas amamos porque Jesus alcança o pecador. E todos nós nos qualificamos adequadamente bem como pecadores.”

Ele disse que, além do pecado individual, os primazes vieram como ícones de suas dioceses e províncias, afirmando: “Chegamos reconhecendo nas profundezas do coração e, às vezes, muito publicamente, as debilidades de nossas Províncias e as suas fortalezas, e quando experimentamos a graça de Deus, o movimento do Espírito, a transformação de vidas, a mudança da sociedade, o chamado à justiça. Nós vemos isso. Mas também nos lembramos de onde vimos abuso, onde vimos aqueles que se orgulham de seu poder, aqueles que buscam dinheiro, sexo, poder.”

Ele continuou: “Existe lepra em nossa igreja. ‘Você está disposto a nos purificar?’. E Jesus abre os braços e diz: ‘Quero. Seja purificado!’”

Depois de renovar seus votos de batismo, o Arcebispo pegou uma tigela de água do rio Jordão e usou um maço de folhas para aspergir com a água os primazes, os membros da Comunidade de de Santo Anselmo (CoSA) e da Comunidade de Chemin Neuf e o pessoal do Lambeth Palace (Palácio de Lambeth) e do Anglican Communion Office (Escritório da Comunhão Anglicana), antes de pedir a um membro da CoSA que faça o mesmo com ele.

The Archbishop Of Canterbury Blesses The Primates With Water Taken The River Jordan

Após o culto, um grupo de primazes foi em peregrinação a Salt e Monte Nebo, na Jordânia, enquanto outro, liderado pelo Arcebispo de Jerusalém, Suheil Dawani, cruzou o Jordão e viajou até Jerusalém e Belém, onde visitaram a Igreja do Santo Sepulcro, o Monte das Oliveiras, o Jardim do Getsemane e a Igreja da Natividade. Este grupo reuniu-se com o Patriarca Grego Teófilo III e os outros Patriarcas e Chefes de Igrejas em Jerusalém. Eles oraram pela paz na região e pela comunidade cristã local.

“Oramos constantemente por vocês”, disse o Arcebispo Justin aos líderes cristãos locais. “Oramos indiscriminadamente por todos os cristãos daqui. Agradecemos o seu testemunho em favor de justiça e esperança. Sabemos que isso muitas vezes é muito, muito difícil para todos os cristãos daqui. Então, agradecemos a Deus por vocês. Vocês nos dão esperança e resiliência.”

Os líderes anglicanos que participaram do Primates’ Meeting disseram que deixavam a Jordânia se sentindo renovados e revigorados. “Essa experiência, além de ser uma experiência de humildade, é uma experiência que me ajudou a entender que realmente precisamos caminhar juntos, porque juntos podemos fazer isso ainda melhor”, disse o Primaz da Igreja Anglicana da Região da América Central, o Bispo do Panamá Julio Murray Thompson. E acrescentou: “É triste dizer, que aqueles que não estão aqui talvez precisem aprender e saber que, como dizemos no Panamá, a luz do lado de fora da varanda estará sempre acesa: quando você quiser voltar, quando quiser se reunir, as portas estarão sempre abertas porque precisamos um do outro.”

Ele estava falando sobre os primazes de Uganda, Nigéria e Ruanda, que optaram por não comparecer à reunião por causa de decisões tomadas por algumas províncias. Quatro outros primazes também estiveram ausentes devido a uma série de razões, como suprir vacância, doença e dificuldades logísticas: os Primazes do Sul da Índia, da Norte da Índia, de Papua Nova Guiné e da África Central estavam ausentes devido a uma mistura de vagas, doenças e dificuldades logísticas.

O Primaz de Hong Kong, o Arcebispo Paul Kwong, Presidente do Conselho Consultivo Anglicano, descreveu a reunião como “o melhor Primates’ Meeting que já participei”, acrescentando: “Há uma sensação de atmosfera cordial e amigável no encontro, e os presentes eram muito honestos e também muito amigáveis ​​um com o outro. Havia um relacionamento muito harmonioso. . . Havia um sentimento de seguir em frente e tentar tornar a Comunhão mais relevante para a missão da Igreja.”

O Primaz de Toda a Irlanda, o Arcebispo de Armagh, Richard Clarke, que se aposenta no próximo mês, disse que o Primates’ Meeting da semana passada foi “provavelmente o melhor” dos três que ele participou. “O encerramento no local do batismo foi extremamente emocionante”, ele disse. “Como o batismo está na raiz de tudo o que empreendemos em qualquer tipo de ministério, sempre me parece que voltamos aos primeiros princípios quando vamos a um local de batismo e renovamos nossas promessas de batismo.

“Achei isso particularmente emocionante, porque daqui a uma semana vou realizar o que será minha última Confirmação em Armagh, com quase 60 candidatos. E há uma sensação maravilhosa de que, ao renovarem suas promessas de batismo, posso dizer-lhes que renovei meu local de batismo de uma maneira diferente, perto do local onde nosso Senhor o fez.”

O Arcebispo de Melbourne, Primaz da Igreja Anglicana da Austrália, disse: “Neste encontro houve um clima caloroso e amigável e não parecia que as pessoas estivessem tão ansiosas. Não havia tanta sensação de tensão.

“As pessoas que estavam na sala - e sabemos que havia algumas pessoas que não estavam na sala - mas acho que as pessoas que estavam na sala estavam dizendo que o compromisso que assumimos em 2016 de caminhar juntos era garantir que esse compromisso não seja mais ameaçado.

“As pessoas foram muito realistas ao reconhecer as diferenças existentes na Comunhão e o potencial de qualquer uma dessas questões, se forem transformadas em armas, podem se tornar muito destrutivas. Mas havia uma sensação de que, apesar dessas diferenças, há um grande presente em nossa unidade. . . que simplesmente colocamos em perigo se caminhamos de maneira que permitamos maior fragmentação.”

  • Clique aqui para ler o Comunicado divulgado pelos Primazes na conclusão de seu encontro.