This website is best viewed with CSS and JavaScript enabled, alternatively you can use the low bandwidth version.

Brazil’s Anglican Church changes its canons to permit same-sex marriage

Posted on: June 4, 2018 1:14 PM
Members of the Igreja Episcopal Anglicana do Brasil General Synod vote to change their canon on marriage during their meeting on Saturday.
Photo Credit: IEAB

 


The General Synod of the Igreja Episcopal Anglicana do Brasil – the Anglican Episcopal Church of Brazil – (IEAB) has approved changes to its canons to permit same-sex marriages. Civil same-sex marriages have been legal in Brazil since 2012. In a statement, the Province said that the move would not require liturgical changes, because gender neutral language had already been introduced into its service for the solemnization of marriage in the 2015 Book of Common Prayer.

The move was overwhelmingly carried by the Synod members with 57 voting in favour and three against. There were two abstentions.

“Canonical changes were approved in an environment filled by the Holy Spirit and with mutual love and respect,” the Province said in a statement. “It was preceded by long, deep and spiritual dialogue. This dialogue formally started in 1997, but had been going on much earlier, and reached the whole Province since then through indabas, conferences, consultations, prayers, biblical and theological publications.”

The Primus of the Scottish Episcopal Church, Mark Strange, and the Bishop of Huron from the Anglican Church of Canada, Linda Nichols, were amongst international guests present at the Synod.

“We affirm our commitment with the Gospel of Jesus and our belonging to the Anglican global family,” the Province’s statement said. “We also hope to keep walking together with those who disagree with us as we discern how to better respond to the challenges ahead of us in our contexts.”

The outgoing Primate of the IEAB, Bishop Francisco de Assis da Silva, said: “I felt the decision was a result of the Holy Spirit’s presence and work. This widens our boundaries, allowing us to be more welcoming to the diversity of people in our country.

The Church’s Provincial Secretary, Arthur Cavalcante, who is himself in a same-sex civil union, commented: “I feel proud to witness this historic day for the Church of Brazil, which is also the day we celebrate IEAB’s 128th anniversary. We stand as a lighthouse at a time this country and the world faces so many difficulties, such as religious fundamentalism and intolerance. I finish my term as Provincial Secretary feeling completely overwhelmed.”

Responding to the decision, the Secretary General of the Anglican Communion, Dr Josiah Idowu-Fearon, said: “The churches of the Anglican Communion are autonomous and free to make their own decisions on canon law. The Episcopal Church of Brazil is one of 39 Anglican provinces covering more than 165 countries around the world.

“I understand that this is the third time that the issue has been discussed by the Synod of the IEAB and so its decision to approve changes to canon law on marriage is not a surprise.

“There are differing views about same-sex marriage within the Anglican Communion but this decision puts the Episcopal Church of Brazil at odds with the majority position that marriage is the lifelong union of a man and a woman. This is a move away from the faith and teaching upheld by the overwhelming majority of Anglican provinces on the doctrine of marriage. The Anglican Communion’s position on human sexuality is set out in Resolution I.10 agreed at the Lambeth conference of 1998 and will remain so unless it is revoked.

“It is my deep desire to see the churches of the Anglican Communion remain committed to walking together in the love of Christ in spite of deeply-held differences and to work out how to maintain unity and uphold the value of every individual. It is important to stress the Communion’s strong opposition to the criminalisation of LGBTIQ+ people.”

In making the move, Brazil becomes the third Anglican province to change its canons to permit same-sex marriage. The US-based Episcopal Church was first to authorises same-sex marriages in Church in 2015. At their meeting and gathering in Canterbury in 2016, the Primates of the Anglican Communion described the move as “a fundamental departure from the faith and teaching held by the majority of our Provinces on the doctrine of marriage.”

Despite the “further deep pain throughout our Communion” caused by the move, the Primates said that “it is our unanimous desire to walk together”, but they added: “given the seriousness of these matters we formally acknowledge this distance by requiring that for a period of three years The Episcopal Church no longer represent us on ecumenical and interfaith bodies, should not be appointed or elected to an internal standing committee and that while participating in the internal bodies of the Anglican Communion, they will not take part in decision making on any issues pertaining to doctrine or polity.”

The second Province to amend its canons to permit same-sex marriage was the Scottish Episcopal Church (SEC) in June last year. When the Primates met in Canterbury last October, the Primus of the SEC, Mark Strange, said that the decision “was ours to take as a self-governing province of the Anglican Communion.”

He added: “However, I recognise that this decision is one that has caused some hurt and anger in parts of the Anglican Communion and that the decision taken at the last Primates’ Meeting, which was to exclude our brothers and sisters in the [US-based] Episcopal Church from debate on doctrine and from chairing Anglican Communion committees, is a decision that now also pertains to us.”

In a narrow vote in July 2016, the Anglican Church of Canada voted to amend its canons to permit same sex marriage. Under its constitutional rules concerning matters of doctrine, the 2016 vote does not take effect unless it is carried again when the Synod meets again next year.

Last month, the Anglican Church in Aotearoa, New Zealand and Polynesia agreed moves to retain its doctrinal position on marriage; but said it would now allow priests in New Zealand to conduct blessing of same-sex civil unions. The move was seen by many as a compromise position and was put forward by a group established to ensure that people with different convictions on issue of sexuality could remain in the Church.

In their January 2016 meeting, the Primates asked the Archbishop of Canterbury to appoint a Task Group “to maintain conversation among ourselves with the intention of restoration of relationship, the rebuilding of mutual trust, healing the legacy of hurt, recognising the extent of our commonality and exploring our deep differences, ensuring they are held between us in the love and grace of Christ.”

The Task Group continues to meet. One of the proposals to emerge from its work is for “a season of repentance and prayer across the Anglican Communion” from Pentecost 2019.


A Igreja Episcopal Anglicana do Brasil muda seus cânones para permitir o casamento de pessoas do mesmo sexo

IEAB_general -synod -votes -same -sex -marriage -180602_460x 307

Membros da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil votam para mudar o cânon sobre o casamento durante a sessão do Sínodo de Sábado.
Foto: IEAB

  • This article is also available in English
  • Este artigo também está disponível em inglês

 

O Sínodo Geral da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil aprovou mudanças nos seus cânones para permitir o casamento entre pessoas do mesmo sexo. O casamento igualitário já é legalizado no Brasil desde 2012. Em uma de suas declarações, a Província do Brasil afirmou que esta mudança não exigirá adequações litúrgicas, porque a linguagem inclusiva de gênero já estava introduzida também no ordinário do casamento desde 2015, na nova edição do LOC-Livro Comum de Oração.

Esta mudança foi aprovada pela maioria dos membros do Sínodo com 57 votos a favor e 3 contra. Não houve abstenções. 

“As mudanças canônicas foram aprovadas em um ambiente inundado pelo Espírito Santo e amor e respeito mútuo”, afirmou a Província. “Foi precedido por um processo de escuta e diálogo longo, profundo e espiritual. Este diálogo começou formalmente em 1997, mas informalmente já existe desde muito antes. Toda a Província participou desse processo através dos “indabas”, conferencias, consultas, oração e muitas publicações bíblicas e teológicas”. 

O Primaz da Igreja Episcopal da Escócia, Mark Strange, e a Bispa da Diocese de Huron, da Igreja Anglicana do Canadá, Linda Nichols, estiverem presentes como convidadas internacionais entre outras. 

“Nós afirmamos nosso compromisso com o Evangelho de Jesus e nossa pertença à família global Anglicana”, afirmou a declaração feita pela Província. “Nós também esperamos nos manter juntas e juntos no caminho com aquelas/es que discordam de nós, na medida em que nós discernimos a melhor maneira de responder aos desafios que está em nossa frente em nossos contextos”. 

O Primaz da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil que está deixando este serviço neste Sínodo, Bispo Francisco da Silva, disse: “Eu sinto que a decisão foi o resultado da presença do Espírito Santo e seu trabalho. Isto amplia nossas fronteiras, e permite que nós sejamos mais hospitaleiros no acolhimento da diversidade de pessoas que compõe nossas comunidades e país”. 

O Secretário Provincial Arthur Cavalcante, ele mesmo vivendo uma união civil com uma pessoa do mesmo sexo, comentou: “Eu sinto orgulho desse testemunho dado neste dia histórico para a Igreja do Brasil, que é também o dia em que celebramos os 128 anos de presença da Igreja neste país. Nós permanecemos como um farol num tempo em que este país e o mundo enfrenta tantas dificuldades, como o fundamentalismo religioso e a intolerância de todos os tipos. Eu termino meu mandato como Secretário Provincial sentindo-me plenamente realizado”. 

Em resposta à esta decisão, o Secretário Geral da Comunhão Anglicana, Dr. Josiah Idowu-Fearon, disse: “As igrejas da Comunhão Anglicana são autônomas e livres para tomar suas próprias decisões sobre a lei canônica. A Igreja Episcopal Anglicana do Brasil é uma das 39 Províncias Anglicanas espalhadas pelo mundo, nos 165 países onde estamos presentes”. 

“Eu entendo que esta é a terceira vez que esse assunto é discutido por um Sínodo da Igreja, então essa decisão de mudar o cânon sobre o casamento não é uma surpresa. 

“Há diferentes visões sobre o casamento de pessoas do mesmo sexo dentro da Comunhão Anglicana, mas esta decisão coloca a Igreja do Brasil em conflito com a posição majoritária das igrejas da Comunhão sobre o casamento ser uma união perpétua entre um homem e uma mulher. Este é um passo que se afasta da fé e dos ensinamentos sustentados pela grande maioria das províncias anglicanas sobre a doutrina do casamento. A posição da Comunhão Anglicana sobre a sexualidade humana está esclarecida na Resolução I.10 acordada na Conferência de Lambeth de 1998 e permanecerá assim até ser revogada. 

“É meu profundo desejo ver as igrejas da Comunhão Anglicana permanecendo comprometidas em caminhar juntas no amor de Cristo, apesar das profundas diferenças e engendrar maneiras de manterem-se unidas e defender o valor de cada individuo como tal. É importante salientar a posição firme da Comunhão sobre a descriminalização das pessoas LGBTIQ+.” 

Ao dar esse passo, o Brasil torna-se a terceira Província Anglicana a mudar seus cânones para permitir o casamento de pessoas do mesmo sexo. A Igreja Episcopal nos Estados Unidos foi a primeira a autorizar este ato na igreja em 2015. No seu encontro em Cantuária em 2016, os Primazes da Comunhão Anglicana descreveram essa atitude como “um afastamento fundamental da fé e dos ensinamentos existentes na maioria das nossas Províncias sobre a doutrina do casamento”. 

Apesar da “profunda dor sentida na Comunhão” causada por essa decisão, os Primazes disseram que “é nosso desejo unânime de caminhar juntos”, mas eles acrescentaram: “dada a seriedade dessa matéria nos formalmente reconhecemos esse afastamento fazendo um pedido que por um período de três anos a Igreja Episcopal (dos EUA) não poderá mais representar a Comunhão em organismos ecumênicos e inter-religiosos, não poderá ser nomeada ou eleita para nenhum comitê executivo e, mesmo participando nos organismos internos da Comunhão Anglicana, não poderá tomar parte em qualquer decisão sobre qualquer matéria pertinente a doutrina ou governança.” 

A segunda Província que mudou seus cânones para permitir o casamento de pessoas do mesmo sexo foi a Igreja Episcopal da Escócia (SEC) em junho do ano passado. Quando os Primazes se reuniram em Cantuária em Outubro passado, o Primaz desta Igreja, Mark Strange, disse que a decisão “foi nosso direito para tomar como uma província autônoma da Comunhão Anglicana”. 

Ele acrescentou: “Entretanto, eu reconheço que esta decisão é uma daquelas que provoca dor e raiva em muitas partes da Comunhão Anglicana e que a decisão tomada na última reunião dos Primazes, que foi de excluir nossas irmãs e irmãos da Igreja Episcopal nos Estados Unidos do debate sobre doutrina e de poder dirigir comissões na Comunhão Anglicana, é uma decisão que agora também nos afeta.” 

Em uma votação apertada em Julho de 2016, a Igreja Anglicana do Canadá votou uma emenda aos seus cânones para permitir o casamento de pessoas do mesmo sexo. Por causa das regras constitucionais que legislam as questões de doutrina, a decisão não pode ser efetivada a menos que seja levada ao Sínodo novamente no próximo ano. 

Mês passado, A Anglicana em Aotearoa, Nova Zelândia e Polinésia acordaram por manter sua posição doutrinal sobre casamento, mas disse que permitiria clérigas/os de Nova Zelândia oficiar bênçãos para união civil de pessoas do mesmo sexo. Este passo foi visto por muita gente como uma posição que tenta harmonizar as diferentes posições e foi proposta e levada a frente por um grupo que foi estabelecido para garantir que pessoas com diferentes convicções sobre a questão da sexualidade possam permanecer na Igreja. 

No encontro dos Primazes em Janeiro de 2016, eles pediram ao Arcebispo de Cantuária para designar um Grupo de Trabalho “para manter o diálogo entre nós com a intenção de restaurar relações, reconstruir a confiança mútua, sanar o que está ferido, reconhecer a extensão do que nos é comum e lidar com as nossas profundas diferenças, garantindo que elas estejam sustentadas entre nós no amor e na graça de Cristo”. 

O Grupo de Trabalho continua a se encontrar. Uma das propostas que saíram do mesmo foi “uma temporada de arrependimento e oração em toda a Comunhão Anglicana”, a partir da festa de Pentecostes do ano de 2019.